expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Live Webcam SPOTAZORES

Live Webcam SPOTAZORES
Santa Cruz da Graciosa

segunda-feira, novembro 10, 2008

Sérgio Ávila - um vice com o vício de dizer enormidades

Crises financeiras mundiais como a que se vive actualmente podem, por vezes, ter também consequências positivas em regiões como os Açores, afirmou Sérgio Ávila. De acordo com o vice-presidente do Governo Regional as taxas de juro e os preços dos combustíveis e das matérias-primas, que tanto têm lesado as famílias, passarão, em breve, a ser factores positivos.
No que diz respeito, em particular, ao preço do petróleo, Sérgio Ávila fez questão de relembrar que, embora tenha sido apontado que este combustível fóssil pudesse atingir os 200 dólares por barril até ao final deste ano, o mesmo está a ser comercializado a menos de metade do valor alcançado a 14 de Julho.
Em relação às taxas de juro, o vice-presidente do Governo Regional é da opinião que estas, nos próximos meses, irão manter a sua tendência decrescente, o que se traduzirá num alívio para a generalidade das famílias. Contudo, o vice-presidente fez questão de alertar para alguns dos efeitos negativos da crise. Um deles é a existência de uma menor liquidez financeira, facto que se reflectirá no acesso ao crédito.
No entanto, em momentos de maior dificuldade, é importante que as pessoas e as empresas tenham confiança e saibam fazer uma boa gestão das expectativas, concluiu o vice-presidente do Governo Regional.
 
 
(futuro prémio nóbel..... da asneira?)
 
A corrente do deixa andar, do oásis Açoreano e da negação da realidade tem, como sempre teve, consequências nefastas. Só falta o Vice-presidente do Governo dos Açores vir dizer que podem pedir crédito que os juros vão baixar e que o futuro anúncia-se risonho. Não é assim, não é isto que um responsável político, que seja um político responsável, deve dizer. Deve apelar à poupança e desenvolver medidas de apoio aos pequenos e médios empresários para que a crise no consumo não gere mais desemprego e mais falências. 

Sem comentários: