expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Live Webcam SPOTAZORES

Live Webcam SPOTAZORES
Santa Cruz da Graciosa

quinta-feira, maio 22, 2014

Opinião: O poder eleitoralista

Em período de campanha eleitoral, seja ela qual for, o Governo dos Açores multiplica-se em iniciativas, desdobra-se em presenças e eventos e a agenda dos governantes açorianos não tem mãos a medir.

É um hábito que não muda e que se torna ostensivo, já característico do regime socialista açoriano.

Na actual conjuntura somam-se outros elementos bem reveladores do desnorte que comanda esta região insular, vai já para duas décadas.

Há duas motivações de campanha por parte do PS Açores: por um lado a guerrilha constante à oposição dos Açores e ao Governo da República. Não há acto público em que participe um elemento do Governo Regional que não sirva para atacar ora a oposição nos Açores, ora o Governo do continente. Por outro lado, a discussão sobre os mais de mil milhões de euros que os Açores vão receber da Europa até 2020 serve para aliciar os mais variados quadrantes da nossa sociedade. Prometem de tudo: subsídios na agricultura, rendimentos nas pescas, projectos para industriais, emprego para todos, enfim, o habitual milagre das rosas a quem se mantiver fiel à voz de comando do regime.

A abrilhantar o momento eleitoral o Governo vai ziguezagueando na busca da popularidade. Se ainda há pouco mais de um mês a oposição dos Açores era torpedeada pelo Vice-presidente do Governo, por causa de querer acabar com o desconto das horas extraordinárias na remuneração complementar, hoje os socialistas dos Açores já alinham na revogação dessa medida, apenas com o propósito de não ficar de mal com a função pública regional, pois são votos que podem fazer diferença.

A cada dia que passa voltamos a ouvir que há soluções para tudo. Falam de criação de emprego quando são campeões nacionais na sua destruição. Falam de resolução dos problemas que serão criados com o fim das quotas leiteiras, quando andaram todos estes anos a assobiar para o lado e a fazer de conta que as coisas se resolveriam por si próprias. Não têm vergonha de prometer futuro para as pescas quando andaram a última década a gerir o sector com excesso de novas embarcações culminando com a escassez de recursos haliêuticos. E prometem grande futuro para o turismo depois de ziguezaguearem em torno do modelo, do produto e da mobilidade que podia, hoje, promover a recuperação da economia regional.

Como é já hábito quando se aproximam eleições, vemos um PS cheio de iniciativa, disposto a resolver todos os problemas, imbuído na máxima de que "agora é que vai ser"!

São quase duas décadas de modelo eleitoral socialista. Alguns dos que agora se desdobram ao serviço do regime instalado em conferências e apelo ao voto ainda nem falavam quando o PS assumiu o poder nos Açores. É uma estratégia esgotada de um modelo e de um Governo esgotados.

Nesta recta final de campanha aguardam-se novos milagres do socialismo dos Açores. As promessas de salvação serão repetidas à exaustão, regadas com o habitual aliciamento dos milhões a caminho e, tudo isso, em nome de um único objectivo: O poder pelo poder!

(Rádio Graciosa, Diário Insular, Açoriano Oriental)

Sem comentários: